Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘apoio ao DV’

Como interagir ou comportar diante da pessoa com deficiência visual?

Diante da pessoa com deficiência visual, podemos interagir ou prestar algum auxílio desde que ela conceda ou permita. Para isso, retirei fragmentos do artigo “Comportamento inclusivos diante de pessoas com deficiência” de Romeu Sassaki (2005), os quais, complemento com algumas sugestões ao interagir com a pessoa cega, pessoa com baixa visão e pessoa surdocega. ** Os complementos, na maioria, foram contribuições de amigos e colegas que enviaram como sugestões ou decorrente de alguma situação, e assim, os itens da lista foram gradativamente aumentando (Okumura, M.L.M.).

 1. Diante da Pessoa cega

a) Se andar com uma pessoa cega, deixe que ela segure o seu braço ou ombro. Não a empurre; pelo movimento de seu corpo, ela saberá o que fazer. É interessante estar um passo a frente dela, assim quando for subir ou descer a escada, ela perceberá e acompanhará o seu movimento. Ou, se encontrar uma possa de água ou um buraco no caminho e necessita de dar um passo maior, dê uma leve parada e em seguida o passo estendido. Se for necessário, comunique dos obstáculos que está a sua frente.

b) Em lugares estreitos para duas pessoas caminharem, conduza o seu braço levemente/naturalmente para trás de modo que a pessoa cega possa seguir, ficando atrás de você. Em caso de locais como teatro/auditório que têm assentos enfileirados,  mova levemente o seu corpo, e avise que andará de lado.

c) Se estiver com ela durante a refeição, pergunte-lhe se quer auxílio para cortar a carne, o frango ou para adoçar o café, e explique-lhe a posição dos alimentos no prato.

d) Num restaurante, é de boa educação que você leia o cardápio e os preços, se a pessoa cega assim o desejar.

e) Se for auxiliar a pessoa cega a atravessar a rua, pergunte-lhe antes se ela necessita de ajuda e, em caso positivo, atravesse-a em linha reta, senão ela poderá perder a orientação.

f) Se ela estiver sozinha, identifique-se sempre ao aproximar-se dela. Nunca empregue brincadeirinhas como: “Adivinha quem é?”.

g) Se for orientá-la a sentar-se, coloque a mão da pessoa cega sobre o braço ou encosto da cadeira, e ela será capaz de sentar-se facilmente.

h) Se observar aspectos inadequados quanto à aparência da pessoa cega (meias trocadas, roupas pelo avesso, zíper aberto, sujeira etc.), não tenha receio de avisá-la discretamente a respeito de sua roupa.

i) Se conviver com uma pessoa cega, nunca deixe uma porta entreaberta. As portas devem estar totalmente abertas ou completamente fechadas. Conserve os corredores livres de obstáculos. Avise-a se a mobília for mudada de lugar.

j) Se você trabalha, estuda ou está em contato social com uma pessoa cega, não a exclua nem minimize a participação dela em eventos ou reuniões. Deixe que a pessoa cega decida sobre tal participação. Trate-a com o mesmo respeito que você demonstra ao tratar uma pessoa que enxerga.

k) Se for orientá-la, dê direções do modo mais claro possível. Diga “direita”, “esquerda”,“acima”, “abaixo”, “para frente” ou “para trás”, de acordo com o caminho que ela necessite percorrer. Nunca use termos como “ali”, “lá”.

l) Indique as distâncias em metros. Por exemplo: “Uns 10 metros para frente”.

m) Se for a um lugar desconhecido,oriente a pessoa cega, diga-lhe, muito discretamente, onde as coisas estão distribuídas no ambiente, os degraus, meios-fios etc.

n) Se vocês estiverem numa festa, diga à pessoa cega quais as pessoas presentes e veja se ela encontra pessoas para conversar, de modo que se divirta tanto quanto você.

o) Se for apresentá-la a alguém, faça com que ela fique de frente para a pessoa a quem você está apresentando, impedindo que a pessoa cega estenda a mão, por exemplo, para o lado contrário em que se encontra a outra pessoa.

p) Se conversar com uma pessoa cega, fale sempre diretamente, e nunca por intermédio de seu companheiro. A pessoa cega pode ouvir tão bem ou melhor que você. Não evite as palavras “veja”, “olhe” e “cego”; use-as sem receio. As pessoas cegas também as usam.

q) Quando se afastar da pessoa cega, avise-a, para que ela não fique falando sozinha.

r) A pessoa cega não vive num mundo escuro e sombrio. Ela percebe os ambientes e adquire informações através do tato, da audição e do olfato. Ela pode ler e escrever por meio do braille ou digital (computador). Logo,  poderá manter em contato por meio de celular, e-mail, skype, msm, messenger etc. 

s) O computador também é um bom aliado, possibilitando à pessoa cega escrever e conferir os textos, ler jornais e revistas, via internet ou livro digitalizado, usando programas específicos (NVDA, DosVox, Virtual Vision, Jaws, por exemplo).

t) Com a bengala ou com o cão-guia, a pessoa cega pode caminhar com autonomia, identificando ou desviando-se de degraus, buracos, meio-fio, raízes de árvores, orelhão, postes, objetos protuberantes nos quais ela possa bater a cabeça etc. O cão-guia nunca deverá ser distraído do seu dever de guiar a pessoa cega.

u) Ao planejar eventos: procure não colocar vasos, cartazes etc  no meio do caminho, providencie material em braille e compreenda que nem todas as pessoas cegas tem habilidade de ler Braille, principalmente àqueles que perderam a visão na idade adulta e/ou idosos. 

2. Pessoa com baixa visão

a) Ao se tratar de pessoa com baixa visão, proceda quase das mesmas formas acima indicadas.

b) Ao planejar eventos, providencie material impresso com letras ampliadas e escuras. Procure não utilizar figuras cheia de detalhes pequenas e coloridas.

3. Pessoa surdocega

Em geral, a pessoa com surdocegueira está acompanhada de um guia-intérprete, que utiliza diversos recursos de comunicação como, por exemplo, a libras tátil (libras na palma das mãos) ou o tadoma (pessoa surdocega coloca a mão no rosto do guia-intérprete, com o polegar tocando suavemente o lábio inferior e os outros dedos pressionando levemente as  dobras vocais). Assim, pela vibração das dobras vocais, ela consegue entender o que a outra pessoa está falando. Há pessoas surdocegas que apenas não ouvem, mas falam; portanto, ela pode “ouvir” pelo tadoma e falar com a própria voz. Quando entrar numa conversa com uma pessoa surdocega, que utiliza o tadoma, deixe que ela faça o mesmo com você.

Um relato de ajuda ao casal de cegos que transforma em exercício: https://lumiy.wordpress.com/about/relatos/miau-musculacao-de-cego/

“Com o teu sorriso, o teu amor, o teu abraço, a tua vida. Com o teu carinho e o teu jeito especial de ser, me iluminas com uma luz que nem a mais brilhante estrela possui, porque me mostras e me ensinas o lado belo da vida. Não preciso ver-te, pois sinto a tua alma, capto coisas que não podem ser vistas, apenas sentidas. Não vejo a tua beleza exterior, que é efêmera, mas sinto a tua beleza interior, que é eterna …” (Poema escrito pela Isaura Gisele, estudante gaucha e cega, atribuído à escritora de livros acessíveis, Gisele Pecchio Dias, na Revista Educação).

“Em lugar de comunicar-se, o educador faz “comunicados” e depósitos que os educandos, meras incidências, recebem pacientemente, memorizam e repetem. Eis aí a concepção “bancária” da educação, em que a única margem de ação que se oferece aos educandos é de receberem os depósitos, guardá-los e arquivá-los. Margem para serem colecionadores ou fichadores das coisas que arquivam. No fundo, porém, os grandes arquivados são os homens, nesta (na melhor das hipóteses) equivocada concepção “bancária” da educação. Arquivados, porque, fora da busca, fora da práxis, os homens não podem ser. Educador e educandos se arquivam na medida em que, nesta distorcida visão da educação, não há criatividade, não há transformação, não há saber. Só existe saber na invenção, na reinvenção, na busca inquieta, impaciente, permanente, que os homens fazem no mundo, com o mundo e com os outros” (Paulo Freire). 

 

Anúncios

Read Full Post »

%d blogueiros gostam disto: