Feeds:
Posts
Comentários

7 Erros Que você (Provavelmente) Comete Ao Lidar Com Pessoas Cegas

Por Leonard Sousa

http://entrelinhasca.com/2016/08/7-erros-ao-lidar-com-pessoas-cegas/

Por MARVIN COSTA

A Apple é bastante conhecida por contar com opções personalizadas para deficientes físicos em seus produtos. O que pouca gente sabe é que a companhia realiza parcerias com pessoas com necessidades especiais no desenvolvimento dessas ferramentas. Esse é o caso de Jordyn Castor, engenheira cega que é o símbolo da Apple para realizar avanços para deficientes no Mac e no iPhone.

Nascida prematuramente e cega, com expectativa de vida desacreditada pelos médicos, Jordyn sobreviveu. Seu familiares não queriam que ela levasse uma vida limitada e a incentivaram a mergulhar no estudo de informática. Desde criança, ela recebeu presentes tecnológicos de seus pais e rapidamente perceberam que ela tinha muita curiosidade pelo assunto.

Resolvi criar códigos para que o computador cumprisse as tarefas que eu queria. Eu percebi que com meu conhecimento em computadores e tecnologia eu poderia ajudar a mudar o mundo das pessoas com deficiência“, diz Castor.

Sua relação com Apple começou em 2015, quando se tornou estagiária da empresa, após participar de uma feira de empregos em Minneapolis. Assim ela entrou para equipe de soluções de acessibilidade para o VoiceOver. Posteriormente, foi contratada como engenheira de qualidade em projetos de acessibilidade.

A engenheira diz que seu trabalho está ligado não só às tecnologias que ajuda a criar, mas também à linguagem de braille. Segundo ela, a tecnologia não pode substituir o braille, mas sim complementar as opções dos deficientes visuais. “Eu uso Braille sempre que escrevo um código“, afirma.

As ideias de Jordyn tem ajudado a Apple a tornar seus produtos melhores para pessoas com algum tipo de deficiência. Em breve, o trabalho da engenheira fará parte de um sistema do Apple Watch que informa a hora através de vibrações.

Com o novo aplicativo do iOS 10, o Swift Playgrounds, ela pretende agregar a possibilidade de edição de códigos para comunidade de deficientes. “Isso vai permite que crianças mergulhem em códigos. Elas poderão usar o Swift Playgrounds com auxilio do VoiceOver para iniciar uma programação“.

A gerente sênior de política de acessibilidade global e iniciativas da Apple, Sarah Herrlinger, acrescenta que a empresa tem ampliado sua dedicação na inclusão social de pessoas com deficiência. Segundo ela, as ferramentas de acessibilidade da Apple podem ajudar esses usuários a gastar menos. “Os recursos estão no sistema (iOS e Mac) independente de você precisar deles“. Dessa maneira, o deficiente não está pagando mais caro por um produto específico, como acontece normalmente em produtos para esse público.

A história de Jordyn Castor vem ganhando destaque não apenas dentro da Apple. Recentemente, ela foi palestrante em um evento da entidade de defesa dos direitos dos cegos (National Federetion of the Blind), onde falou sobre seu trabalho no mundo da tecnologia. Ela diz que tem uma mensagem simples para as próximas gerações de programadores cegos: “A cegueira não nos define. Ela é parte de quem você como pessoa, mas não define você ou o que você pode fazer na vida“, conclui.

Engenheira cega da Apple é símbolo dos esforços em acessibilidade para o iPhone

O Movimento Down disponibilizou uma cartilha muito interessante, esclarecedora e de apoio aos pais de filhos com deficiência. Segue a apresentação e o link:

“TRÊS VIVAS PARA O BEBÊ: Este livreto foi preparado por mães e pais que, como você, tiveram filhos com deficiência. Muitos de nós recebemos a notícia de maneira inapropriada e com informações negativas e desatualizadas. Por isso quisemos compartilhar com você o que sentimos e dizer o que gostaríamos de ter ouvido nesta hora. Os primeiros momentos foram difíceis, mas com o tempo aprendemos que nossos filhos são crianças como outras quaisquer, com um futuro promissor pela frente, e vimos que seu nascimento trouxe muitas alegrias para a família. Parabéns pelo seu bebê! Movimento Down”

Cartilha: TRÊS VIVAS PARA O BEBÊ! GUIA PARA MÃES E PAIS DE CRIANÇAS COM MICROCEFALIA

 

 

Engenharia Biomecânica para Viver Sem Limites
Uberlândia – MG nos dias 05 a 08 de Maio de 2015

Estaremos no evento para apresentar um Sistema Eletrônico para treinamento de esporte para paratletas com deficiência visual. A pesquisa será apresentada pelo Altemir Trapp, técnico da Paraolimpíada de Goaball e membro da nossa equipe de Produtos orientado para Tecnologia Assistiva – POTA/PPGEPS-PUCPR.

Um especial agradecimento ao prof. Cleudmar Amaral Araújo, presidente do ENEBI 2015, e também parabenizamos pelo evento.

Mais informações no site: http://www.enebi.com.br/

O dom aflorado é um talento encontrado

A deficiência desaparece no talento, na habilidade quando se encontra com o dom da pessoa. O vídeo mostra a apresentação do Nobuyuki Tsujii, pianista cego, que toca “La Campanella”de Franz Liszt, com total perfeição.

Nobuyuki Tsujii, cego de nascença e com o dom na música. O seu talento é revelado aos dois anos ao tocar no seu piano de brinquedo a melodia que ouvia a sua mãe cantar.  Ingressou no estudo de piano aos quatro anos, e aos sete anos (1995) ganhou o primeiro prêmio ao participar do concurso “All Japan Music” de estudantes com deficiência visual da Associação Helen Keller de Tokyo. Aos dez anos (1998), Nobuyuki estreou na orquestra de Osaka, e em 2009 ele participa da competição “the 13th Van Cliburn International Piano Competition” nos Estados Unidos, Texas, ficando em primeiro lugar. Em outubro de 2005, participou do 15ª Concurso Internacional de Piano Frederik Chopin, realizado na Polônia, em Varsóvia, chegando à semifinal e recebeu o Prêmio Crítico. Além de tocar o piano, Nobuyuki é compositor, e aos 12 anos apresentou “Street Corner of Vienna” de sua autoria. Mas informações encontra-se no site http://www.nobupiano1988.com/.

“Se é o dom de servir, então devemos servir; se é o de ensinar, então ensinemos; se é o dom de animar os outros, então animemos. Quem reparte com os outros o que tem, que faça isso com generosidade”. Rm 12:7-8. “Sejam bons administradores dos diferentes dons que receberam de Deus. Que cada um use o seu próprio dom para o bem dos outros!”. 1Pe 4:10.

APAE: 60 anos

APAE, parabéns!

Seminário Estadual sobre Saúde e PcD – Novos Caminhos

Realização: CVIRM – CENTRO DE VIDA INDEPENDENTE DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA

Local: Hotel Nacional Inn – Rua Lourenço Pinto, 458 – Curitiba, PR.

Apoio:
AFAG- Associação dos Familiares, Amigos e Pessoas com Doenças Graves
SIANEE – Serviço de Inclusão e Atendimento aos Alunos com Necessidades Educacionais Especiais do Centro Universitário UNINTER

Patrocínio: SESA – Secretaria de Estado da Saúde – Governo do Paraná.

Resultados do Seminário: Participação de 40 municípios do Paraná.

http://bronca-blogdobronca.blogspot.com.br/2014/09/seminario-reune-40-municcipios-em.html?spref=fb

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 303 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: